A indústria cervejeira é uma das que mais cresce no mundo, na contramão da recessão que abalou outras grandes indústrias. Conhecer uma parte da história das maiores cervejarias do mundo pode nos dizer muito sobre tradição e empreendedorismo;

A tradição cervejeira que ganhou o mundo é oriunda da Europa Ocidental e está muito associada à monastérios. A tradição se espalhou por todo o continente e com o tempo empreendimentos ganharam licença de produção e distribuição, a história das maiores cervejarias do mundo tem essa gênese em comum: famílias de imigrantes europeus licenciados em países do Novo Mundo que adquiriram instalações e, na medida que passavam às gerações da família, iam se expandindo e se fundindo com outras empresas, aumentando seu catálogo, meios de produção e mercado regional até os modelos internacionais de mercado aberto. Mas dentre todo esse percurso há muitas e muitas décadas de história e formação;

 

Weihenstephan 

A alemã Weihenstephan (algo como Sagrado Stephan, uma referência ao monastério onde foi produzida) é a cervejaria mais antiga ainda em operação no mundo. Estabelecido em 1020 em Munique, mas com seus monges produzindo a receita desde 725.
O local que hoje abriga a Universidade Tecnológica de Munique, que abriga um dos cursos mais importantes para cervejeiros do mundo, e de onde maioria de seus mestres sai, já foi reconstruído inúmeras vezes após guerras, pestes e até fenômenos naturais. À revelia de tudo isso, a tradição permaneceu e historiadores dão à instituição outros méritos, como o de, antes do uso extensivo de levedura, selecioná-las e também o mérito de produzir cervejas de baixa fermentação, as famosas Lagers, que são fermentadas em baixas temperaturas. Seus monges estocavam tonéis em cavernas geladas.

Sob a Lei da Pureza Alemã de produção de cervejas (Reinheitsgebot), a Weihenstephan manteve-se leal à composição de água + lúpulo + malte e levedura mas, com o tempo, adicionou outras bebidas à seu catálogo.

Mesmo produzindo majoritariamente cervejas de trigo, que não são tão populares por aqui, a cervejaria teve de ir adequando seu sabor ao gosto popular, mas a tradição ainda é sua vitrine no marketing, tendo uma participação importante em quase todos os eventos relacionados à cerveja e mantém um catálogo relativamente pequeno em comparação com as próximas citadas. Sua coleção de cervejas certamente é um dos melhores pontos de partida para aqueles que estão se iniciando nessa cultura!

Weihenstephan 

 

Budweiser

No final do século XIX nasceu a primeira cerveja originalmente norte-americana, fundada em St. Louis por imigrantes após a aquisição de uma pequena linha de produção distribuiu a chamada Pale Lager, cervejas mais suaves, filtradas, de baixa fermentação e alguns aditivos, como milho e arroz, ideais para serem consumidas geladas.

A Anheuser-Busch prosperou, inclusive durante a proibição dos anos 30, onde passou a produzir bebidas sem teor alcoólico, resistindo à fase pouco favorável à bebidas em geral ao mesmo tempo que ia absorvendo outras empresas, meios de produção e ambientes de mercado.

A Bud consolidou-se na mídia, especialmente esportiva e rapidamente fundiu-se com outras produtoras pelo mundo. Hoje a AB InBev é a maior companhia de cervejas do mundo, possui a maior parcela do mercado e extensão de produtos e alcance, sendo proprietária inclusive da gigante AmBev, do Brasil.

budweiser

 

Bohemia 

Assim como a Budweiser nos EUA, a Bohemia foi a primeira cervejaria originalmente brasileira, estabelecida na Cidade Imperial de Petrópolis, no Rio de Janeiro, também é originária da tradição de famílias alemãs.

Também produzia cervejas com características típicas alemãs mas, com o tempo, assim como as outras cervejas desta lista, foram se alterando para atender o gosto popular.

Muito do marketing da Bohemia também reflete sua tradição, apesar de ter se deslocado de Petrópolis, sido vendida para a companhia Antártica e posteriormente à AmBev e ter mudado relativamente sua fórmula. Ainda sim, é uma das cervejas mais populares e apreciadas do Brasil e compromete-se com a produção de cervejas diversificadas que recuperam sua tradição.

bohemia

 

Heineken

Outra cerveja que seguiu caminhos similares à da Budweiser, a Heineken estabeleceu-se na segunda metade do século XIX na Holanda e foi passando por gerações da família, mantendo um padrão de qualidade mesmo sob o crescimento extensivo da produção.

A cervejaria faz concessões de produção em outros países mas se mantém supervisionando-as.

Após a guerra e o fim da proibição nos EUA, a cervejaria passou a se focar no mercado internacional e, desde que o primeiro carregamento chegou em Nova York, continua sendo uma das importadas mais queridas no continente. Seguiu um processo de assimilação de outras distribuidoras de diversos países e opera em mais de 70 localidades, como por exemplo através da AmStel aqui no centro-sul do continente, através de mecanismos de mercado aberto.

heineken

 

A história, a progressão de maior parte das maiores cervejarias do mundo segue uma linha em diferentes momentos históricos, de acordo com o mercado e a própria cultura cervejeira em si. Entender essa perspectiva agrega à forma como esse cenário se desenvolve hoje e aumenta a perspectiva de todos envolvidos no meio, dando à eles o poder de muda-la e/ou apropriar-se dos meios de forma mais racional e perspicaz. A história está para nos ensinar a refletir e agir.

Gostou deste artigo? Compartilhe-o com seus amigos, nosso portal sempre traz conteúdos novos para a comunidade cervejeira, assine nossa newsletter e receba sempre em primeira mão!

Conheça nosso site: indupropil.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *