“A imagem é a alma do negócio” está longe de ser um simples bordão de marketeiros. O símbolo, por definição, é a propriedade semântica mais poderosa que temos – semântica significa a capacidade de atribuirmos valores e propriedades às coisas como palavras, ilustrações e afins.

Apesar de a identidade não ser apenas a logo, é ela que irá guardar muitas das propriedades do seu empreendimento, dos princípios e sentimento que envolvem seu produto, e eles, com o tempo, ficarão cada vez mais cheios de significados, abertos a serem resignificados por outros consumidores de uma forma que acabem sendo capazes de se afeiçoar ao produto.

Convenhamos que é raro um consumidor se afeiçoar à um produto sem um nome ou uma logo ou conceito cativante, provavelmente ele só o consome por praticidade, preço, talvez até pela qualidade, mas ainda assim, não possui um grande apelo emocional, simbólico. E eis o ponto onde a identidade visual faz uma estrondosa diferença.

 

A Identidade te faz ser reconhecido

Há uma grande chance de, ao ver uma representação de um utensílio ou animal, ou ao ver alguma fonte de letra que pensemos em algum branding, uma marca antes da própria representação da coisa do mundo real em si. Assim como há produtos que acabam se tornando uma referência tão grande àquele tipo que substituamos o nome da marca pelo nome do produto. Isso já mostra o poder do símbolo.

Uma ideia é usar um símbolo geral, um animal, um utensílio. Algo que possa ser modificado com o tempo sem esvaziar sua essência, ou algo regional, como uma ferramenta, ou algo que remeta ao trabalho relacionado àquele produto. Brasões, apesar de mais difíceis de se reproduzir, também podem passar a sensação de tradição, num ambiente como o das bebidas artesanais, por exemplo, isso teria muito a ver.

Um estilo de fonte, com formas geométricas ou linhas que simulem uma ilustração dentro do próprio nome, como uma empresa de fármacos que pontua a letra ‘i’ com um comprimido, um logo de tratores que simule uma roda ou uma grua.

 

A sua imagem não precisa incorporar necessariamente as propriedades do produto. Roupas, por exemplo, muitas vezes conseguem vender a preços altos seu produto por conter uma simples logo. Nós reagimos de muitas formas a um símbolo e muitas pessoas podem acabar consumindo algo por toda a série de coisas que representam para ela.

 

A Identidade Visual traz profissionalismo ao seu negócio

À parte de toda discussão sobre o poder simbólico da identidade do produto, o que certamente é vital para criar uma profundidade ao produto e dar destacamento a ele, a identidade visual também ajuda a inserir o produto à uma categoria – basta pesquisar por empresas de um determinado ramo ou um determinado tipo de produto: provavelmente muitos deles terão similaridades curiosas.

Como já citado, a identidade visual de um produto é sua porta de entrada. Não tenha dúvidas que um produto é julgado desde a sua imagem. Muitos dos efeitos psicológicos são tão tácitos que às vezes nem sabemos explicar porque gostamos de algo, mas mesmo assim gostamos.

Um aspecto importante da imagem para que ela trafegue pelo mercado, pelas mídias, é que seja dinâmica. Que consiga se reinventar sem perder o que traz de mais tradicional e essencial.
Que consiga ser vinculada de forma oportuna por todas as mídias, com cores chamativas ou designs minimalistas para poder ser reproduzida facilmente no maior número de ambientes, superfícies e plataformas; pintada em um muro, como um ícone clicável, em um game de poucos bits, etc.

Um cartão com uma logo, um site ou embalagem certamente transmitem mais autoridade, de algo que tem história, tradição e capilaridade nos meios, algo único, que não reproduza simplesmente símbolos genéricos e diga muito sobre a modalidade de seu negócio.

Permite a padronização da embalagem

A forma também é um símbolo, imagine a patente das garrafas de Coca-Cola ou as das cervejas comerciais. São inconfundíveis.

Quanto mais dinâmica sua marca, mais customizável ela poderá ser. Você pode adotar cores padronizadas e, na medida em que varia os sabores ou cria uma edição especial, pode alterar essa gama, pode adicionar algo ao aspecto visual, até à forma do produto, como usar garrafas especiais, com rolhas de plástico ou produzir um pequeno engradado com sua logo. Tudo isso dá uma sensação de produto completo para seus clientes.

Sua embalagem, na medida em que o produto fica dinâmico, pode acabar se tornando uma marca registrada também. Como as garrafinhas “gorduchinhas”, é possível usar até esse detalhe em seu favor e customizar a embalagem, criar um conceito para cada variedade de sua produção.

O importante é que você consiga aproveitar cada aspecto de seu produto de forma dinâmica, para angariar o interesse no maior número de formas possíveis. Definitivamente o caráter visual do produto conta, e muito, e é o que faz alguém tentar aquilo dentre inúmeros outros produtos parecidos em uma prateleira.

 

No portal da Indupropil você encontra muito mais dicas sobre a cultura e a produção de bebidas artesanais, não deixei de acessar nossa página!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *